Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

sexta-feira, 30 de junho de 2017

CER DEBATE REFORMA DO ENSINO MÉDIO, PCCR, CONJUNTURA, CAMPANHA SALARIAL É GREVE GERAL

O Conselho Estadual de Representantes (CER) do SINTEPP teve início na manhã desta quinta-feira (29) com os informes das regionais. Representantes das regionais Sul, Sudeste, Nordeste 1, Oeste, Nordeste 2, Xingu e Tocantina falaram das recentes lutas em suas localidades, que inclui a defesa do piso salarial e a unificação dos PCCR's. Baixo Tocantins e Metropolitana encaminharão seus resumos por escrito posteriormente. Ao final da mesa O deputado federal Edmilson Rodrigues e a vereadora de Belém Marinor Brito saudaram a categoria.

Em seguida foram fundidas as mesas Reforma do Ensino Médio e PCCR vs PCR. Na exposição dos palestrantes foram colocados os prejuízos que tanto a reforma do ensino médio, quanto os PCR trarão para a sociedade, uma vez que a disposição do governo do Estado e dos prefeitos é para a mais rápida implantação dos projetos nos municípios paraenses. O Sintepp organiza um ciclo de seminários em cidades pólos das regionais sobre a reforma do ensino médio e o PCCR, ao qual o CER aprovou o seguinte calendário: regionais Baixo Tocantins/ Nordeste 1/ Sudeste – 11.08-Reforma do Ensino Médio, 12.08-PCCR; regionais Tocantina/ Nordeste 2/Metropolitana - 18.08-Reforma do Ensino Médio, 19.08-PCCR; e regionais Marajó/ Xingu/ Oeste/ Sul - 25.08-Reforma do Ensino Médio, 26.08-PCCR. Para garantir a abrangente participação da comunidade escolar é tarefa das Subsedes estreitar relações com alunos, pais e professores, inclusive os do SOME, uma vez que os principais atingidos pela reforma serão alunos do 8º e 9º anos do fundamental.

A tarde os trabalhos foram retomados com a mesa de Análise de Conjuntura. As falas dos representantes das centrais sindicais: Intersindical, Unidos pra Lutar, CUT, CTB e Conlutas foram unânimes no sentido de que somente a luta da classe trabalhadora pode por fim ao governo golpista de Michel Temer, que tenta a todo custo aprovar no Congresso Nacional uma série de reformas que retiram direitos historicamente conquistados. A crise política instalada no país, uma crise do capital, foi gerada pelo próprio capital e só será derrotada com a unidade de todos os trabalhadores. Por isso o CER referendou a participação na greve geral deste dia 30.06. Ao final da mesa o vereador de Belém Fernando Carneiro saudou os conselheiros.

A mesa seguinte teve como tema a Campanha Salarial que está em curso neste ano de 2017. Com a representação da Coordenação Estadual e dos Coordenadores de Regionais, o plenário analisou os ataques sofridos pelo governo estadual, que incluem a falta de disposição política para o cumprimento da lei do piso salarial nacional e a lentidão para a execução das obras de reformas das escolas, que têm expostos profissionais da educação e estudantes a ambientes completamente insalubres para o ensino/aprendizagem. Segue em curso o fortalecimento das lutas da categoria para o 2º semestre, não estando descartada greve na rede estadual de ensino.

A última mesa do CER, O que ocorrer, teve como pauta o 3º Encontro dos Funcionários de Escola do SINTEPP. O Sindicato tem adiantado debate sobre o PCCR unificado, e a construção deste encontro objetiva construir um piso para estes profissionais não docentes e a unificação do plano. Visto que no entendimento de nossa entidade todos os trabalhadores da escola são educadores, o encontro tem como público alvo vigias, serventes, merendeiras, secretários, técnicos de escola e todos os profissionais não docentes que constroem o ambiente escolar. Serão dois representantes por Subsede, e o encontro ocorrerá no dia 21.09, em Belém.

Para encerrar foi aprovada a data do próximo CER, que será nos dias 22 e 23.09, em Belém e já tem como uma das pautas a Casa do Educador. Para esta sexta-feira (30) o SINTEPP confirma presença na greve nacional convocada pelas centrais sindicais contra as reformas trabalhista e previdenciária de Temer. Em Belém o ato público ocorrerá a partir das 11h, com concentração na Pça. da República.

Postar um comentário