Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

sábado, 26 de maio de 2012

Crianças furtam objetos de colegas nas escolas de Portel


Gente, eu não posso ficar só comigo a questão que vou abordar a seguir. José (nome fictício) apareceu em casa com uma borracha e explicou para sua mãe que simplesmente achou na rua. Na vez seguinte, achou um lápis e ninguém da casa se incomodou, até porque lápis é lápis, valor insignificante. Ainda mais com uma mãe que trabalha o dia inteiro em casa de família. 

Bem, a ilustração acima, hipoteticamente, aponta o início da história de um ladrão. Na escola ele furta pequenos objetos e, paulatinamente, vai aumentando o valor dos seus achados. Foi o que aconteceu numa das maiores escolas do município de Portel em que uma professora teve seu salário inteiro furtado, supostamente, por um aluno da 8ª série.  Mas é público e notório o furto de bicicletas das dependências das escolas do município e, em geral, são praticados pelos próprios estudantes. Cheguei até a sugerir a implantação de câmeras na área destinada ao estacionamento de bicicletas.

Já dentro de sala de aula constatei que vários meninos, geralmente oriundos de bairros bem pobres, praticam pequenos furtos, desde lápis, caneta, borracha e, inclusive, sandália. Houve até o furto de 18 reais da bolsa de uma professora do turno da manhã. No dia seguinte foi verificado junto à turma e um coleguinha entregou o ladrãozinho e este explicou que achou o dinheiro e comprou um frango.

Diante de uma situação dessas, incluí na pauta de reunião de pais e mestres, dentre diversos assuntos. Infelizmente os pais daqueles alunos cujo comportamento chamariam a atenção nas páginas policiais não comparecem à reunião. O combate ao início da corrupção já está 1 x 0, ou seja, estou perdendo, pois a família é o elo essencial no combate a este estado de coisa. Não está na hora da gente virar o jogo? Ou aceitaremos essa situação como normal, cresceremos acreditando que a única saída é tirar do próximo e, quem sabe, um dia tirar dos cofres públicos?

O que você acha? Tem sugestão para o combate a essas atitudes negativas? Deixe seu comentário, clicando no link “comentários”, logo abaixo desta postagem.
Postar um comentário