Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

quarta-feira, 30 de maio de 2012

SOLDADOS DO GOVERNO PEDRO ATACAM NOVAMENTE


Com o advento da Internet, surgiu uma mídia cuja permissão para divulgar fatos não depende mais de um editor com sua conta bancária à disposição dos interessados. Tornou-se uma mídia onde qualquer um pode ser o editor. E esse editor pode ser um cidadão de olho na gestão do dinheiro público. Há crime em apontar a malversação e indicar supostos malversadores?

O sindicalista da educação do município de Portel, Ronaldo Alves, foi acusado pelo presidente do Conselho do Fundeb de compará-lo ao Ali Babá. Denis Nunes, que foi eleito com a ajuda doex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Portel, Teofro Lacerda , hoje Assessor Especial I do Governo de Pedro Barbosa, achou-se ofendido não por causa dos 40 ladrões de Ali Babá, mas porque de vice-diretor passou a possuir “carro, loja de material de construção e eletrodoméstico, moto” e ainda promover muitas “farras”, segundo a publicação feita no Facebook por uma personagem chamada Boto Corderosa.

Em conversa com Ronaldo Alves esta manhã, ele disse que não compartilhou a postagem do odiado (pelo governo) Boto Corderosa, apenas “curtiu” (um link existente no Facebook para que o leitor possa afirmar que gostou ou “curtiu” a publicação de determinado fato ou coisa do gênero). Alves me mostrou uma cópia da imagem usada na postagem que exibe a cara de Denis (que o Boto chama de Cara de Pizza) e a capa de um DVD entitulado de Ali Babá e os 40 ladrões (lembrando que Ali Babá não conheceu a famosa licitação existente hoje no setor público, longe de eu pretender ser jocoso). Estranhamente após a comunicação feita por Ronaldo Alves através do FB de que a polícia o teria intimado a comparecer na delegacia, o tal Boto retirou a postagem. Assim, crê-se que Portel é mesmo a Terra dos Contrários, pois em vez de investigarem o famigerado Boto, atacam um sindicalista de renome estadual, aproveitando-se do momento para perseguir um membro do SINTEPP, dado aos seus ataques aos desmandos do governo atual, deixando claro que os soldados de Pedro estão agindo para proteger a majestade.

O direito de crítica, ignorado solenemente por alguns políticos, foi recentemente reconhecido pelo STF, o Supremo Tribunal Federal. Em recente manifestação, o ministro Celso de Mello (foto) sentenciou que o direito do cidadão de criticar pessoas públicas, quando motivado por razões de interesse coletivo, não pode ser confundido com abuso da liberdade de imprensa. O voto do ministro foi acompanhado por unanimidade pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal. Denis, ao investir-se na posição de Conselheiro não é mais uma figura de vice-diretor, mesmo que esta seja pública, abraça-se tão logo ao ramo das figuras públicas, passível assim de críticas.

"A crítica que os meios de comunicação social (e/ou cidadão) dirigem às pessoas públicas, por mais dura e veemente que possa ser, deixa de sofrer, quanto ao seu concreto exercício, as limitações externas que ordinariamente resultam dos direitos de personalidade", salientou Celso de Mello. De acordo com o ministro, decano do Supremo, a Constituição "assegura, a qualquer pessoa, o direito de expender crítica, ainda que desfavorável e mesmo que em TOM CONTUNDENTE, contra quaisquer pessoas ou autoridades".

Antes de encerrar essa postagem, é bom lembrar que esse governo está no fim e de alguma forma a proteção que hoje existe não mais existirá amanhã, nem tampouco o recurso financeiro nem advogados entrelaçados aos bagos do poder, ainda que subsista outros bagos vindouros.

Para quem pensa que Ali Babá roubava com 40 ladrões, veja o que esta personagem baseada na Arábia Pré-Islâmica e faz parte do Livro Mil e uma Noites.

ALI BABÁ E OS 40 LADRÕES - O CONTO

Ali Babá, um pobre lenhador árabe, esbarra com o tesouro de um grupo de quarenta ladrões, na floresta onde ele está cortando árvores. O tesouro dos ladrões está numa caverna, que é aberta por magia. A gruta abre-se usando-se a expressão "Abre, ó Simsim" (geralmente escrito como "Abre-te Sésamo", em português), e fecha-se com as palavras "Fecha, ó Simsim" ("Fecha-te Sésamo"). Quando os ladrões saem, Ali Babá entra na caverna, e leva parte do tesouro para casa.

O irmão rico de Ali Babá, Cassim, questiona o seu irmão sobre a sua inesperada riqueza, e Ali Babá conta-lhe tudo sobre a gruta. Cassim vai até a gruta para tirar mais uma parte do tesouro, mas na sua ganância esquece as palavras mágicas para abrir a caverna e os ladrões acabam por encontrá-lo lá e matam-no. Como seu irmão não volta, Ali Babá vai à gruta com o fim de o procurar. Encontra o corpo e tira-o da gruta, mas não o leva para casa. Com a ajuda de Morgiana, uma astuta escrava da família de Cassim, ele faz um bom enterro a Cassim sem suscitar quaisquer suspeitas sobre a causa da sua morte.
Os ladrões, quando não encontram o corpo, concluem que alguém sabe dos seus segredos e saem a busca de uma pista. Nas primeiras vezes os ladrões são enganados por Morgiana (que agora já é membro da familia de Ali Babá), mas acabam localizando a sua casa.

Então, um dos ladrões finge ser um comerciante de óleo que necessita da hospitalidade de Ali Babá. Traz consigo mulas carregadas com trinta e oito jarros de óleos, sendo que apenas um estava com óleo enquanto que os outros trinta e sete escondiam os outros ladrões (dois membros já tinham desaparecido, quando enviados para encontrar a casa e, por não a terem encontrado, foram mortos). Os ladrões planejam matar Ali Babá enquanto ele dorme. No entanto, Morgiana descobre-os novamente e os trinta e sete ladrões são mortos, nos jarros onde se escondiam, quando neles se verteu óleo fervente. Descobrindo que todos os seus homens já estão mortos, o chefe dos ladrões fugiu.

Para se vingar, o chefe dos ladrões estabelece-se como comerciante e finge-se de amigo do filho de Ali Babá (que agora está a cargo da empresa do falecido Cassim). Logo é convidado para jantar à casa de Ali Babá. O ladrão é reconhecido por Morgiana, que demonstra uma dança com um punhal e termina por espetá-lo no coração do ladrão, num momento em que ele está desprevenido. A princípio, Ali Babá fica irritado com Morgiana, mas quando descobre que o ladrão o queria matar, ele concede a liberdade a Morgiana e ela casa-se com o filho de Ali Babá. Assim, a história termina feliz para todos, exceto para os quarenta ladrões e para Cassim.


Postar um comentário