Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Portel: Audiência pública com novo Bispo do Marajo

Dom Evaristo Spengler
Convocamos todos os trabalhadores e trabalhadoras da educação prejudicados com administração pública para participar  de uma importante  Audiência Publica com o novo Bispo do Marajo Dom Evaristo Pascoal Spengler e com a Irmã Henriqueta da Cnnb norte 02.
 
Local:Paroquia Nossa Senhora  da Luz
Data:Hoje 07/11
Horário: às 16:00hs
 
Hermison Bruno
Coordenador Geral do Sintee/Portel

Breve situação da crise educacional em Portel

Há vários meses que o SINTEPP realiza audiências com a Promotoria Pública, com fornecimento de provas. Houve, inclusive uma Audiência Pública em que participou o promotor público André Cavalcante. Na ocasião, houve relatos de situações graves. Até o momento não houve manifestação das autoridades judiciárias.

O ex-prefeito Carlos Moura, durante a Audiência Pública, entregou documento que mostram diversas irregularidades. Entre tais, há uma (a número 8) que fala do inchaço da folha de pagamento para fins "eleitoreiros". Uma cópia da folha de pagamento referente ao mês de abril mostra que a despesa era de R$ 3.772.943,33 (três milhões, setecentos e setenta e dois mil, novecentos e quarenta e três reais e trinta e três centavos. A partir de julho folha passou a mais de cinco milhões e meio de reais.

Interessante notar que a própria SEMED, assim como a prefeitura, dispõe de um aplicativo que acusa quando há excesso de pessoal, disparando um alarme indicando que atingiu o limite estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal, conforme falou um responsável pelo RH da Secretaria de Educação durante reunião na própria SEMED no mês de maio.

O documento de Moura ainda revela que a questão da merenda atrapalha o desenvolvimento das crianças. Apesar da presidente do Conselho da Merenda afirmar que há merenda, a comunidade de mais de 600 pessoas reunidas na Audiência Pública contestou com sonora vaia.

O combustível que deveria ser entregue aos barqueiros para transporte de alunos também custa a chegar, impedindo que as aulas aconteçam, assim como também o atraso no pagamento desses profissionais.

Postar um comentário