Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Visita ao município de Portel


*Samuel Lima

Estive em Portel-Pará, minha cidade natal entre os dias 22 a 31 do mês passado (julho) para executar um trabalho profissional atinente ao serviço de marketing eleitoral, especificamente para levantar dados estatísticos (pesquisa de intenção de votos), planejamento estratégico de campanha e monitoramento dessas ações.

Somente o levantamento de campo (pesquisa de intenção de votos) não foi possível efetivar, no entanto tive a imensa felicidade de rever meus familiares e muitos amigos de infância. Em primeiro lugar faço menção aqui ao dono deste Blog, o “Educadores de Portel” (o Ronaldo Machado – detentor de um estilo literário, simples, porém, contundente), o Franciley Santana (ley), o Carlos Moura, o JR (Poloca), o Aldebaro Pinto, o Gezael “Madeireiro” (o Bitutú), o Dinho do Balateiro,o Gerson Pereira e o Nilton – estes três últimos, são candidatos ao cargo de vereador e o Dr. Miro Pereira – candidato a prefeito, figura ímpar, de mente privilegiada e profundo conhecedor dos problemas de nossa região.

Gostaria de ter contatado outros amigos daquelas 5ª, 6ª e 7ªseries dos anos 84/85/86 como a Laurinha, a Marivalda do Alípio, o Maxico (adepto da juventude Peter Pan –, pois soube que este não sai dos 28 anos de idade), o Nardely, o Guigui do Leão, o Francisco Ângelo, o Orziro Santana, os falecidos: Aldecy Barbosa (Perú), José Fialho (Zeca do Othon), José Queiroz (Zezinho Galo) e o Jozildo Pereira (Matraca da Naita). Quantas saudades, época que tivemos a felicidade, o prazer e a sorte de termos por mestres, a metódica e austera professora Ana Margarida Martins Cardoso, do didático e polivalente Afonso Mesquita, e do irreverente, porém, divertido, Waldecy Garrido (Tia Cipa no Cipó).

Tempos que ficam apenas na memória. Soube por meio de informações de terceiros, que, muitos se encontram dispersos por esse mundo de meu Deus. Uns foram mais determinados e, conseguiram se formar (pedagogos, geógrafos, matemáticos, advogados, engenheiros, bibliotecários, sociólogos, economistas, etc.) e, estão bem posicionados na vida, como empresários, funcionários públicos e profissionais liberais (no meu caso). Outros, casaram, separaram. Outros partiram dessa pra melhor.

Ah, sim, eu ia esquecendo.  Falei com a Carmen Lúcia, a Rosana do Hotel Marino, a Rosa do Bixuga e o Osmar (Pia) por meio de acenos e, finalmente, nos últimos dias de minha estada aí, falei com o Gargamel (Zé Maria) e o Preto da Iracema. Também vi, com muito pesar, o outdoor do homem que tinha o coração maior do mundo, que se foi um dia antes de minha chegada à Portel – o meu amigo Zé Diniz (externo aqui os meus pêsames a família enlutada).

Mudando de assunto, lembrei-me daquela nossa professora de história, a irmã Noêmia Portilho (se não me falha a memória era da Ordem Carmelita e muito progressista). Era uma figura avançada pro seu tempo. Lembro muito bem de seus comentários nas tardes de sexta-feira quando a maioria da moçada gazeteava a aula, indo à praia do Arucará. Os poucos que restavam em sala ficavam antenados, nos comentários daquela educadora religiosa.

Seus ensinos não se limitavam somente aos conteúdos da matriz curricular, do decoreba de nome príncipes, fatos e datas. Já àquela época, nos orientava que a educação era o único meio do indivíduo vencer na vida. Dizia pra gente nunca parar de estudar. Lembro (na 6ª série), quando ela explicava nas aulas sobre os movimentos de insurreição nativistas e messiânicos (do Beato Conselheiro do Arraial de Canudos), que, as conquistas coletivas somente são obtidas, através da participação popular por meio do embate, da ideologia e da polarização.

Reproduzi essa conversa com alguns amigos durante minha curta passagem em nossa querida Portel. Percebi que os aspirantes aos cargos eletivos possuem níveis de politização acima da média.  No entanto, constatei que a maioria tem em mente projetos apenas de grupo em detrimento do conjunto da coletividade. Por outro lado, me alegrei com alguns remanescentes de nossa turma que, são candidatos e, ainda sonham com uma sociedade mais justa, fraterna e menos desigual.

Em 2003 estive em Portel, quando um colega de classe, a época era vereador e estava se articulando para ser candidato a prefeito, disse-me que tinha uma missão para alavancar o desenvolvimento de nosso município. Em nossa conversa afirmei a este que o desenvolvimento de qualquer ente federativo se passa pela educação e desenvolvimento econômico e, no curto prazo, a solução imediata seria um Projeto de Desenvolvimento Local Sustentável, (conhecido hoje por economia verde), com foco no social e respeito ao meio ambiente.

Disse a esse meu amigo que ações políticas dessa natureza eram e são o passaporte para a captação de recursos junto aos órgãos de fomento (BNDES, BIRD e outros), para impulsionarem a economia local, principalmente, o turismo ecológico, produção in natura em larga escala,tudo de forma sustentável e comercializados por meio de uma moeda local circulante (que denominei de Arucará, à época), emitido através de uma instituição de crédito municipal, o Banco do Povo. Esse mesmo assunto debati e apontei nessa minha estada aí em Portel com outro amigo que é aspirante ao executivo municipal, nesse pleito de 2012.

Devido minha formação em economia, outros amigos perguntaram-me se eu aceitaria retornar à Portel para ajudá-los nessa empreitada. Agradeci ao convite, no entanto, disse que, para implementar um projeto dessa natureza seria preciso quebrar paradigmas, pois precisaríamos de uma equipe multidisciplinar e altamente profissional, com dedicação e, acima de tudo com idealismo. Também precisaria ter autonomia para apontar caminhos, mostrar soluções, encontrar alternativas para ajudar a minimizar os problemas políticos e sociais que afetam a região que eu nasci.

_________________________
* Samuel Barbosa de Lima
é Especialista em Marketing Eleitoral; Diretor do Instituto de Pesquisa Socioeconômica e Cidadania do Amapá – IDESP e do recém-fundado Instituto Pólis da Amazônia; Consultor de Comitês voltados para Estratégias Políticas-Eleitorais para cargos majoritário pleito 2012 nas cidades de Macapá, Santana, Mazagão, Portel e Gurupá. Responsável em 2012 pela elaboração dos Programas de Governo “Avança Mazagão” – Dr. Dílson Borges Prefeito e Planejamento Estratégico Eleitoral, respectivamente. Coordenador de diversas campanhas eleitorais nos últimos quatro anos. Samlima17@yahoo.com.br  - Cel:XX (96) 9136 9413   

Postar um comentário