Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

SINTEPP E SINTESP ELABORAM CARTA SOBRE VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS NO MUNICÍPIO DE PORTEL – MARAJÓ PARÁ



A carta a seguir foi transcrita da original entregue ao Cardeal Cláudio Hummes, por ocasião da sua visita ao município de Portel. A carta foi elaborada após uma reunião ocorrida no sábado passado (20) e teve como autores o SINTEPP e SINTESP, sindicatos da educação e saúde, respectivamente.

Acompanhe a leitura que aponta questões graves envolvendo os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário:

"A Educação Pública de Portel tem passado por grandes dificuldades por conta das sucessivas violações de direitos, indícios de desvios de verbas públicas, má gestão dos recursos públicos, que deveriam garantir condições dignas  para que se possa educar com qualidade nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos, com o objetivo de garantir um presente e futuro melhor.

O que temos hoje, no sistema único de Saúde no Município de Portel não supre as necessidades de demandas de seus usuários, que padecem com as mazelas, sucateamento e os descasos da gestão pública.

Diante dessas questões, os Sindicatos dos Trabalhadores em educação Pública do Pará Subsede Portel – SINTEPP – e o dos Trabalhadores da Saúde de Portel – SINTESP - VEM DENUNCIAR AS SEGUINTES VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS:

EDUCAÇÃO

1 – LUTAR NÃO É CRIME:
Lutar pelo direito não é crime, é justo e legítimo principalmente quando se trata da educação pública, direito que para centenas de famílias do nosso município é o único meio de melhorar de vida, por isso pedimos Vosso apoio aos coordenadores do SINTEPP que estão respondendo processo na comarca de Portel por lutarem pelos direitos dos trabalhadores da educação.

2 – ESPAÇOS ESCOLARES

O que temos são salas de aulas superlotadas, muito quentes, sem falar em turmas inadequadas (o famigerado turno intermediário) sem saneamento básico (esgoto, coleta de lixo e água potável). Sem essas condições mínimas não é possível desenvolver bem nossas atividades e com isso também não é possível o aluno ter uma educação de qualidade. O município de Portel tem a necedade de construir espaços escolares adequados que garanta qualidade para o acesso e permanência dos alunos e alunas no processo de esnino e aprendizagem.

3 –ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

É responsabilidade dos governos garantir a oferta regular de alimentação escolar de qualidade e quantidade em todas as escolas da rede de ensino do município. Muitas de nossas crianças e adolescentes saem de suas casas sem o café ou sem almoçar por falta de condições financeiras de suas famílias e, portanto, é a alimentação escolar a única oportunidade de comer bem. No nosso município, a alimentação escolar é insuficiente e de má qualidade. Levando em consideração a distribuição da alimentação escolar nas escolas ribeirinhas que não atende ao calendário do campo nos dias letivos.

44 – GOVERNO NÃO CMPRE OS DIAS LETIVOS

O governo impossibilita o cumprimento dos dias letivos garantidos em lei, obrigando os trabalhadores desempenharem suas funções aos sábados, comprometendo as atividades religiosas, culturais, de lazer das comunidades ribeirinhas e urbanas dos mesmos.

5 – CONTRA OS DESCONTOS ABUSIVOS E ARBITRÁRIOS

A perversidade dos senhores que estão à frente do governo do município é tanta que os descontos em nossos contracheques do Instituto de Previdência do Município de Portel – IMPP -, Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS – não são repassados com regularidade, ocasionando uma dívida do trabalhador com os institutos de aposentadoria. Tendo como uma aposentadoria incerta dos trabalhadores que dedicam toda sua vida profissional ao seu trabalho no município.

6 – VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL

Previsto como um dos princípios constitucionais do Direito à Educação (art. 206, V e VII da Constituição de 1988), a questão da valorização dos profissionais da educação escolar é de fundamental importância para o desenvolvimento de um país. No município de Portel é visível a desvalorização profissional, pois nesses últimos anos vivenciamos perseguições praticadas contra aqueles que reivindicam, questionam e se posicionam contra os mandos e desmandos cometidos pelo prefeito de Portel. Essa desvalorização profissional pode ser vista nas situações expostas:

A Desvalorização profissional  por meio de contratação de técnicos em Educação e de professores em detrimento de pessoas que estão aprovadas em concurso público em vigência até outubro de 2016;

A desvalorização social da carreira do magistério e da figura do professor por meio de rtirada de direitos estabelecidos no PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais do Magistério de Portel – Lei 634/2001, art. 36) a exemplo da retirada da Gratificação pelo exercício do magistério em escolas de difícil acesso dos professores que atuam no campo, em conivência com os poderes judiciário e legislativo;

A desvalorização profissional por meio do não apoio à Formação Continuada (PARFOR), pois muitos professores nos períodos de estudos (janeiro/fevereiro  e julho/agosto) se ausentam do seu município para estudar em outro sem apoio do governo municipal às condições dignas para o estudo. O que parece é que o governo municipal se faz de desentendido, haja vista que esses professores são da rede municipal, caso contrário não estariam cursando uma graduação em regime de colaboração entre governo federal, estadual e municipal e que tem como objetivo a formação incial para professores da própria rede.

A indiferença do governo municipal em relação à educação e da própria sociedade (que opta pela alocação de recursos em ações que comprimem o orçamento público,  em vez de serem aplicados em setores-chaves como a educação e a saúde – aplicação de recursos em educação versus aplicação em outras ações;

A perseguição contra os professores efetivos por meio da retirada de carga horária, além de transferência do professor de seu local de trabalho para outro sem justificativa plausível que permita tal situação.

7 – FINANCIAMENTO

A atual política de investimento da educação, em especial na Amazônia e no Pará, embora tenha aumentado seu nível  de alocação de recursos e descentralização  na gestão dos mesmos,  ainda têm se mostrado ineficaz e centrado em uma política de financiamento pautada em uma visão urbanocêntrica, enquanto parte da população vem sendo posta à margem do sistema de educação, em especial a comunidade ribeirinhas. Nesse sentido, em se tratando de Marajó, não há transparência das prefeituras com os gastos em relação aos recursos recebidos, o que se configura enquanto violação dos direitos em desacordo, inclusive com o que é preconizado na Constituição enquanto princípio da administração pública sendo este um desdobramento do princípio da publicidade.  No ano de 2011 promulgou-se a lei da transparência, Lei nº 12.527/2011, a qual determinava que o poder público deveria dar publicidade de seus atos, facilitando o acesso à informação aos cidadãos, com publicações de algumas informações por meio eletrônico e demais meios o que não vemos no município de Portel.

PAC II – PROIFNÂNCIA – PROGRAMA PROINFÂNCIA – CONSTRUÇÃO DE CRECHES no valor de R$ 1.410.676.57 no ano de 2012 que nesse ano foram feitas as fundações de três creches e,

PAC II – PROINFÂNCIA – PROGRAMA PROINFÂNCIA – CONSTRUÇÃO DE CRECHES no valor de R$ 2.158.001, 84 no ano de 2014 e até o momento não vemos nenhuma escola construída e não sabemos para onde foi o dinheiro.

Inexistência de prestação de contas dos recursos do FUNDEB (Fundo de Desenvolvimento  da Educação Básica e Valorização do Magistério), PNATE (Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar), PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar).

8 TRANSPORTE ESCOLAR

Um direito conquistado envolvendo toda a sociedade organizada, como outros direitos. No entanto, esse tem se mostrado um transtorno de ausências, ampliação e falta de estrutura para se atender toda a demanda dos usuários escolares.

Tanto nas escolas da cidade quanto nas  escolas ribeirinhas, principalmente nas escolas ribeirinhas a precariedade no transporte escolar tem causado um grande transtorno, comprometendo  o funcionamento das escolas em suas atividades pedagógicas,  programações e eventos. Além de que nenhum dos transportes escolares apresenta a mínima estrutura. Como: o número de lotações por embarcações, a falta de coletes salva vidas, falta de cobertura do eixo do motor da embarcação, podendo causar escalpelamento, segurança e  conforto, além da falta de monitor dentro  dos transportes. Ressaltando que as escolas ribeirinhas são movidas pelo transporte escolar. E a sua precariedade tem interferido  negativamente nos dias letivos.

Outro problema sério é a falta e o atraso na distribuição do combustível  para o transporte escolar. Sendo que o fornecedor não tem atendido  em tempo hábil, deixando a desejar seu compromisso no fornecimento do combustível para o transporte escolar."
Postar um comentário