Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

terça-feira, 6 de março de 2012

TRAIÇÃO TOMA CONTA DA ELEIÇÃO DA DIRETORIA DO FUNDEB EM PORTEL


    Acompanhado de perto pela Rádio Arucará e blog Educadores de Portel, a reunião para a escolha da diretoria do Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS-FUNDEB), o clima foi de tensão do começo ao fim. Não era para menos, pois os representantes das duas chapas antagonistas, José Agnaldo Paiva e Adenilson Nunes, foram parar na delegacia, por recusa no fornecimento de cópia de documentos.

    Quando cheguei à atual sede do conselho, à rua Pe. Antônio Vieira, nº 136 (casa pertencente à mãe do atual presidente do FUNDEB, Adenilson Nunes, e alugada pela prefeitura para fins de acomodação do conselho), já havia membros tanto da chapa governista como da chapa da oposição. Agnaldo Paiva me informou, além do fato policial, como da tentativa de seduzir pessoas da chapa de oposição para a governista, sendo que a premiação para tanto seria qualquer emprego na SEMED, á escolha da pessoa.

    Após a chegada do senhor Adenilson Nunes, a reunião teve início com a explicação do mesmo sobre o incidente que o levou à presença das autoridades policiais juntamente com o senhor Agnaldo Paiva. Nunes disse que foi chamado de “pilantra”, por isso deu uma queixa contra seu opositor de chapa. Paiva rebateu que não proferiu essa palavra, apenas disse que, ao ser-lhe negada a cópia da ata, disse não ter ofendido o Sr. Adenilson, mas que este cidadão negou-lhe a entrega do documento.

    Além desse incidente, o senhor Agnaldo Paiva acusou irregularidade na escolha do representante Edmar Brasil pelo fato de o processo de seleção se dar fora da reunião prevista para tal, tendo, portanto, sido realizada dentro do prédio que abriga os trabalhos do conselho do FUNDEB, isso no dia 23 de novembro. Paiva afirmou que o senhor Edmar Brasil não compareceu à reunião do dia 12 de novembro, daí dizer que vai adentrar junto ao Ministério Público para apontar a irregularidade do processo de escolha.

    Para que acontecesse a eleição, foi definida, por unanimidade, a escolha através de voto aberto. Os governistas que votaram pela permanência de Adenilson (Dênis) Nunes, foram: ADSON MESQUITA (vereador), WILTON DA SILVA CARVALHO (gabinete do prefeito, ocupa cargo de assessor especial II), ADELBARO PINTO (RH-SEMED), EDMAR SILVA (Infraestrutura), ADENILSON NUNES (vice-diretor da escola Rafael Gonzaga).

    Os rivais do governo tinham a seguinte composição: TEOFRO LACERDA (representante dos pais da zona rural e assessor especial de gabinete III), JOÃO ASSUNÇÃO (Pais de alunos da zona rural), ROGÉRIO PINHEIRO (representante dos professores), VANDO CLEITO DA CONCEIÇÃO (representante do Conselho Tutelar), JOSÉ AGNALDO DA LUZ PAIVA (representante dos alunos) e ROSEANE GONÇALVES SILVA (Técnico Administrativo).

    Em termos de definição da chapa vencedora, havia um voto que causou a tensão novamente. Foi que surgiu o voto de Teofro Lacerda, o qual disse que mudaria da chapa da oposição para a chapa governista, alegando traição. Segundo Lacerda, “se sentiu enganado por não ter participado como vice da chapa de nº 02”, a chapa de oposição.  Diante disso, Agnaldo prometeu fazer denúncias ao Ministério Público pela eleição irregular do representante dos alunos, Sr. Edmar Brasil.

    Ao sair da reunião, Agnaldo Paiva me confessou que havia sido advertido por um amigo de que essa luta seria inútil, uma vez que foram montadas tramas que envolvem alto escalão do governo municipal. Agnaldo foi advertido de que Teofro Lacerda era comprometido com o governo de Pedro Barbosa, sobretudo porque a prova é que ocupa carga de assessor especial III, sendo, portanto, homem de confiança do governo peemedebista. Após deixar a conversa com Paiva, fui procurado por uma pessoa que entregou uma cópia do decreto de nomeação de Teofro Lacerda como Assessor Especial de Gabinete III.
    Entendeu Paiva que a conversa com um dos integrantes da chapa, domingo no Camel, já prenunciava o fato sucedido hoje. Um dos membros de sua chapa o abordou alegando ter recebido proposta de emprego em qualquer lugar da SEMED e inclusive dinheiro.
Postar um comentário