Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

O pagamento atrasou: quem é culpado? A Dilma? O Prefeito? O Sindicato?

Ainda está longe o dia em que os administradores poderão falar abertamente ao povo. Diante de falta de pagamento, reina a boataria, a especulação diante de algo que se chama direito do trabalhador. Nesse momento, é impensável fazer calar uma multidão que ainda tem emprego, pois os demais (que é maioria) já estão calados há muito tempo. 

Entremeio a falta de pagamento há sérias consequências, sem dizer exatamente quem sofre mais quanto a não quitação das compras a prazo no supermercado ou mesmo às parcelas do consignado. Só sei que a choradeira entre os pessoal do comércio é enorme. Ouvi dizer da boca de comerciantes que os cheques estavam sem cobertura, as faturas estavam vencendo e o cartão de crédito com seus juros gigantescos estavam a aumentar as dores de cabeça dos empresários. E o galho mais fraco também é penalizado nesse dilema que já ganha proporções dilacerantes na opinião pública e também nos corredores do fórum de Portel e até na delegacia, tudo porque o salário atrasou. 

Se por um lado sofre o comerciante, o professor endividado que compra a crédito chegou a ouvir que sua conta no supermercado estava bloqueada por falta de pagamento. Impressionante que o pobre do professor nem tem culpa por qualquer atraso, pois o governo fez despencar o ramo da escatologia inteiro na cidade ao dar calote no INNS, resultando no bloqueio de repasses. Sorte que ainda se vive nos moldes antigos em que as relações entre cliente e patrão é algo pessoal e não impessoal como nos grandes centros como Belém em que você não tem acesso aos donos das lojas.

Portel - PA
dezembro/2015
Origens do FUNDEB
DecêndioTotal
FPM177.840,60164.513,77163.992,41506.346,78
FPE290.034,67268.300,36267.450,09825.785,12
IPI-EXP29.125,3612.089,565.876,4847.091,40
Complementação da União0,000,001.620.283,511.620.283,51
Lei Complementar Nº 870,000,0013.459,2113.459,21
ITR1.285,32156,54501,661.943,52
IPVA49.420,790,0023.555,4072.976,19
ITCMD5.169,070,004.628,809.797,87
ICMS223.259,110,001.413.708,591.636.967,70
Total776.134,92445.060,233.513.456,154.734.651,30
A partir de 1998, dos valores do FPM, FPE, IPI-Exportação e ICMS LC 87/96, já está descontada a parcela de 15 % (quinze por cento) destinada ao FUNDEF.
A partir 2007, dos valores do FPM, FPE, IPI-Exportação e ICMS LC 87/96 e do ITR, já estão descontados da parcela destinada ao FUNDEB.


Pela tabela acima, percebe-se que houve um depósito de R$ 4.734.641,30 (quatro milhões, setecentos e trinta e quatro mil, seiscentos e quarenta e um reais e trinta centavos). Esse valor era para pagar o mês de dezembro. Nenhum valor de 2016 deveria, segundo a lei do FUNDEB, pagar contas da gestão de 2015. Reconhece-se, portanto, o caráter altamente criminoso passível de punibilidade.
Depois de todo o trauma vivenciado por toda a sociedade, surgem ainda tentativas de explicar o inexplicável  através de uma secretaria de planejamento, expondo todo o contraditório diante da possibilidade de que tudo se originou na falta da ação de planejar. 

Naquele momento (dias 18 a 23 de dezembro), os sindicalistas estavam a se debruçar sobre a previsão nada agradável de que poderia haver atrasos no pagamento de dezembro. Surgiu então a ideia de fazer uma manifestação pelas ruas de Portel, a iniciar pela frente do prédio luxuoso do maior hotel pertencente ao prefeito da cidade. Neste momento o prefeito estava curtindo no município de Baião.

Contas as más línguas, até aquelas que andam com o prefeito nessas curtições, que o gestor maior do município de Portel ficou tão furioso pela cag (não concluo o termo da escatologia porque tem madames no recisnto) que chegou a quebrar garrafas. O prefeito, segundo consta, pensava que seus subordinados estavam fazendo tudo direitinho e até já festejava o fim de ano em Baião.

Após essa fúria do prefeito, descontente com seus subalternos, houve uma reunião no gabinete do palácio Othon Fialho, onde os "cérebros" da gestão decidiram fazer uma publicação que ataca os vereadores, fazendo-lhes ameaça e colocando como pivô de tamanha repercussão o vereador Ronaldo Alves. Ataca inclusive o SINTEPP, como se este agora fosse o responsável pela má condução dos derrames rabiais dos recursos do FUNDEB.
 
Postar um comentário