Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

terça-feira, 9 de abril de 2013

Greve em Portel - Informativo - SINTEPP



INFORMATIVO
SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE PORTEL (SINTEPP)
A despeito do que vem sendo publicado nos veículos de comunicação de Portel pela secretária municipal de educação, a senhora Ana Valéria Ferreira de Oliveira, esclarecemos:
1.       A greve dos trabalhadores em educação pública da rede municipal de educação de Portel foi deflagrada no último sábado (06/04), por deliberação da categoria, junto à coordenação do SINTEPP, subsede de Portel.
2.       A greve dos trabalhadores em educação não precisa encaminhar à secretaria municipal de educação de Portel uma ATA da Assembleia que deliberou a greve PARA, ENTÃO, A GREVE SE TORNAR LEGAL OU NÃO.
3.       A greve é legal, é legítima, e CONSTITUCIONAL porque a LEI Nº 7.783, DE 28 DE JUNHO DE 1989 (LEI DE GREVE) nos ampara. E quando a secretária vai aos veículos de comunicação fazer o que está fazendo, está incorrendo criminalmente no seguinte Artigo 6º do dispositivo desta lei:
§ 1º Em nenhuma hipótese, os meios adotados por empregados e empregadores poderão violar ou constranger os direitos e garantias fundamentais de outrem.
§ É vedado às empresas adotar meios para constranger o empregado ao comparecimento ao trabalho, bem como capazes de frustrar a divulgação do movimento.
4.       O prefeito já entendeu que o nosso movimento de greve é mais do que justo e legítimo, pois ontem mesmo nos encaminhou o ofício de nº 062/GAB (cópias em anexo) no qual se coloca a disposição para dialogar com este sindicato.
5.       A secretária desconhece ou não reconhece que antes de deflagrarmos a greve, deliberamos mais de um mês antes com a categoria,  a IMINÊNCIA DE GREVE, na assembleia que se fez do SINTEPP na escola Abel Figueiredo, no dia 06/02, às 09:00h. (com documentos e ATAS em nossos arquivos). Caso não avançássemos, ou não fôssemos recebidos para as negociações junto a SEMED ou junto ao governo municipal, entraríamos em greve. O governo estava avisado.
6.       Sobre os maiores prejudicados pelo movimento da GREVE (os alunos), que a secretária insiste em jogar a responsabilidade para os educadores, esclarecemos com todo o respeito aos pais e a comunidade portelense, que dois, três dias de paralisação de aula preocupam sim, mas o SINTEPP justamente com os trabalhadores da educação se compromete em fazer a reposição das aulas. Entretanto, a secretária deveria entender que, o que mais prejudica os alunos é o início atrasado do ano letivo (final de fevereiro), obrigando os professores e alunos a cumprirem os sábados letivos, fazendo com que os alunos usufruam do seu direito em Lei do mínimo de 200 dias letivos (LDB).
7.       Há ainda outras coisas que prejudicam os alunos, causado não pela GREVE, mas pelo estado de coisas, da qual o poder público tem a sua responsabilidade.
A greve é legal!
Ilegal, senhora secretária de educação:
É os professores ainda não terem recebido seu salário do mês de dezembro de 2012;
Ilegal é nossos filhos estarem estudando em sala de aula superlotadas, sem o mínimo de conforto, sem ventiladores adequados, iluminação adequada, chovendo nas salas de aula, sem bebedouro digno e água potável, sem merenda e material didático adequado, sem professores felizes e moralmente satisfeitos para educar nossos filhos;
Ilegal é perseguir trabalhadores da educação;
Ilegal é não respeitar os direitos (garantidos e assegurados) dos professores;
É imoral é usar os meios de comunicação de Portel para amedrontar os trabalhadores em educação, os alunos e seus pais dizendo que só quem vai perder com a greve são os alunos;
Perguntamos, de que adianta ter  os professores em sala de aula se não estão estimulados a fazer um bom trabalho? Por conta que esse governo não está respeitando um dos princípios básicos da democracia que é o diálogo entre as partes?

Postar um comentário