Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Prefeito de Portel sente a pressão do povo em favor dos professores


O que se pensava sobre o SINTEPP, usado inclusive na tribuna da Câmara Municipal de Portel pelo vereador Enos Perdigão, a entidade não teria credibilidade. Não foi o que se viu nas ruas e nas escolas da cidade. As famílias aderiram ao movimento pela manhã deste dia 08. Mesmo após a secretária tentar diminuir a força da greve, com entrevista na televisão para dizer que a greve é ilegal e que todos os alunos deveriam voltar a estudar, ninguém obedeceu. A reação aconteceu.

O prefeito, sem ouvir os queixumes dos apanhiguados que agem pela emoção, ouviu o grupo de assessores mais intelectualizados e entendeu que a sociedade está mesmo do lado dos professores. A manifestação aconteceu nesta tarde, quando o SINTEPP recebeu, às 14:10h, o ofício nº 062/13-GP, assinado pelo prefeito Vicente de Paulo Ferreira Oliveira, no qual abre, finalmente, espaço para uma possível negociação. O documento solicita da instituição uma comissão que esteja acompanhada de advogado para as “providências de praxe”, conforme disse o prefeito no fim do ofício.

No entanto, saliento que os comentários da secretária Ana Valéria, irmã do prefeito, e do próprio gestor maior do município, Paulo Ferreira, que destaca com letras maiúsculas que não tem dinheiro, mas contraditoriamente afirma, logo em seguida, que paga assim que houver determinação judicial. Ocorre, porém, que uma decisão judicial é demorada, especialmente quando se sabe que em Portel não temos juiz nem promotor. Hoje, chegou a Comarca de Portel o juiz Emanoel Motta, o qual responde provisoriamente na ausência de um titular. Ressalte-se que o próprio juiz esclareceu ao sindicato, em reunião hoje à tarde, que sua passagem é breve, devendo permanecer pelo menos por uns dez dias. Agora chega-se ao ponto que almejo intensamente: processos dessa natureza carecem do acompanhamento de um promotor. E onde estaria tal representante do poder auxiliar da justiça?

Ao perceber que os professores e demais profissionais da educação têm o apoio do povo, sabidamente os conselheiros de Paulo do Posto estão certos, pois nunca se deve brigar frontalmente com o povo, pois do povo é que político vive, embora não valorize.
Postar um comentário